Os desafios do ano de 2020 foram vários... um deles, transformar uma oficina presencial de pesquisa tridimensional, a se realizar nas dependências da EAV, em curso online. Processo difícil de desmaterialização, que acabou por trazer riqueza à reflexão sobre a prática artística no campo da escultura, do espaço presente e da ação no ambiente. Trouxe também uma turma pequena, e aplicada, que mergulhou nas leituras e experiências.

Os trabalhos e processos de pesquisa aqui apresentados, respondem à proposta inicial de observação do espaço doméstico, com foco na situação de “isolamento” e na observação do “acúmulo”. O envolvimento com o espaço íntimo, com o próprio corpo e com objetos cotidianos - que passaram a ser percebidos de forma diversa e re-significados - gerou encontros felizes com poéticas individuais. A leitura e debate a partir de textos teóricos e escritos de artistas, estimularam os processos de pesquisa e elaboração material.

Observamos as obras referenciais de Mira Schendel e Lygia Clark, entre outras. A noção de “tomar posse”, de Luciano Fabro, funcionou como um detonador importante. O pensamento deste artista acerca do espaço real, do espaço presente e do tempo foi apreendido, vivenciado e ganhou materialidade nos limites da residência e da pesquisa de cada aluna(o). Assim como suas concepções sobre a vida e as relações humanas no mundo contemporâneo foram inspiradoras de uma liga de afeto, fundamental no momento presente, árido e assustador.

Criou-se um espaço de experimentação e trocas. A proposta inicial desdobrou - e desviou - em ações, objetos, instalações, intervenções, vídeos e processos diversos, apresentados aqui como pesquisas em andamento. A atribuição de palavras-chaves, aos trabalhos, dará conta de articular estes bem-vindos desvios... Embora alguns trabalhos tenham chegado a um “ponto de resultado”, não são pesquisas concluídas, nem o resultado é o único possível do processo. Seguimos todos aprendendo...


Fabiana Éboli Santos

Dezembro 2020